à conversa com...

Pint'arte c/Alma

logo.jpg
  • Facebook
  • Cinza ícone do YouTube
r.jpeg

Rodrigo Pinto

Quem é a Pint'Arte c/Alma?

É o resultado de anos de gosto pelo artesanato, uma história familiar ligada a alguns ícones portugueses e algum brainstorming pelo caminho. O nome em si foi lançado a 3 de outubro de 2020 e consiste na apresentação de trabalhos de um avô e um neto (José Marta e Rodrigo Pinto Silva) - nas áreas da Arte Xávega, arte marítima e azulejo.

 

Como surgiu?

O meu avô/mestre José Marta originalmente veio de Lisboa morar para Ovar no início da década de 90, e foi por volta do final dessa década que começaram a surgir os primeiros trabalhos dele. Do que eu me lembro, creio que foi há cerca de 5, 6 anos que comecei a ganhar o gostinho pela pintura e venda de artesanato ao acompanhá-lo nas feiras da zona. Mas foi especialmente no final de 2019 que isto que temos hoje - a Pint'Arte c/Alma que marca alguns dos nossos maiores gostos e alguns dos nossos maiores momentos de trabalho em família - iniciou.

 

No seu entender, o que distingue a Pint'Arte c/Alma do resto do mercado?

Creio que neste momento, o que mais nos distingue é a escolha das áreas a focar - a Arte Xávega / Moliceiros e o Azulejo. Afirmo que neste momento, e com a rede de conexões a mim conhecida, muito poucos são os que trabalham como o meu avô e que criam produtos como os que ele cria. Da minha parte, com o azulejo, vou tentando arranjar novas formas de dar vida ao Azulejo e de o reaproximar a cada um de nós.

 

Qual ou quais são as maiores dificuldades que sente no mercado em que se apresenta?

Apesar de trabalharmos num ramo bastante distintivo, pessoalmente sinto que é difícil o caminho para chegar àquela pessoa que vê, precisa e fica ou oferece. Infelizmente sabemos que o artesanato foi algo que ao longo destes últimos anos foi perdendo importância, e nós, trabalhando com produtos com alguma sazonalidade, percebemos o que pode custar para vários artesãos a falta de procura.

 

Um dos valores da marca é o papel ativo na responsabilidade social apoiando a comunidade de diferentes formas, como por exemplo eventos, associações sem fins lucrativos, entre outros. Porque é para si tão importante este apoio?

Já não é a primeira vez que digo que o mundo do artesanato é um mundo lindo, e que tem que voltar aos poucos a força que em outros anos teve, e acreditamos que com estes vários eventos e associações como a ReInventar cada vez será mais fácil aproximar do público, confraternizar e partilhar o bom que há em ser criativo, cada um ao seu jeito.

 

Como se sente ao fazer parte da Pint'Arte c/Alma?

Um momento que tenho que guardar sempre na memória é o poder ter entrevistado o meu avô para a ReInventar porque aí deu para perceber na visão dele, o significado que o artesanato tem para nós. Por isso para mim não só é um orgulho poder estar com ele e acompanhá-lo neste percurso, mas é também uma honra poder contar com a ajuda dele em tudo o que for preciso nos meus trabalhos. Terei para sempre um orgulho imenso das veias artísticas da minha família e de poder ter feito parte desta nossa arte.

 

Para finalizar, qual é o seu maior sonho?

Sonhos são muitos, alguns já se realizaram e outros estão por realizar. Só o facto de poder partilhar os nossos trabalhos com o nosso público e de continuarmos a ter o gosto de fazer já é uma grande realização. Adorava que nos próximos tempos o artesanato fosse ganhando um papel cada vez maior das vidas de cada um de nós. De resto, que eu e o meu avô continuemos a ser felizes nestas nossas vidas, e que estejamos bem, cada um à sua maneira!